Coco Chanel

Primordialmente as criações de Chanel, desde o início, visavam conforto, praticidade, funcionalidade e excentricidade.

De família humilde, Gabrielle Bonheur Chanel aprendeu a costurar em um convento. Além disso, antes de ser estilista, Chanel cantou como corista, ocasião na qual conheceu pessoas da alta sociedade da época.

Inicialmente sua produção de artigos relacionados à moda começou com chapéus, isso em um momento em que os ricos estavam passando das carruagens para os carros e precisavam de chapéus menores.

Acima de tudo com estilo andrógeno, Gabrielle usava roupas masculinas. Geralmente eram peças do vestuário do homem com quem estivesse em uma relação romântica.

Desde a juventude Chanel era magra, tinha cabelos curtos e bronzeava-se. Revolucionária, tirou o espartilho do figurino feminino e encurtou as saias.

Ela considerava que as roupas tinham que ter funcionalidade, acompanhar os movimentos do corpo e excessos deveriam ser retirados. Chanel pesquisou tecidos, cortes e modelagens que atendessem ao seu dia a dia dinâmico e, a partir da guerra, atendesse também às novas rotinas das mulheres.

Simultaneamente, suas lojas prosperaram em cidades do litoral francês, onde famílias abastadas se refugiavam da Primeira Guerra Mundial. Chanel costumava despertar a curiosidade das mulheres em conhecer a amante de um lorde inglês.

Inovadora, Gabrielle empregou a tia e a irmã caçula para circular com suas roupas e atrair clientes. 

Em certo momento, Chanel abrigou um nobre russo, exilado, e dele ganhava joias bizantinas e colares de pérolas, que inspiraram uma linha de roupas bordadas à mão. Esse russo também apresentou Chanel ao perfumista que criou a célebre fragrância Chanel Nº5.

 

tailleur, perfume Chanel nº5, bolsa 2.55

A icônica bolsa Chanel 2.55 (fev.1955)

Chanel lançou a bolsa feminina com alças a tiracolo, de corrente, presas com ilhós, em fevereiro de 1955. O couro trabalhado em matelassê foi inspirado nas jaquetas dos funcionários de estábulos. E o formato em losango teria vindo dos vitrais das janelas do orfanato onde Chanel viveu.

Outra criação icônica de Chanel foi o batom em bastão.

Por que Karl Lagerfeld foi importante?

Karl Lagerfeld foi diretor criativo da marca Chanel entre 1983 e 2019. Lendário, Karl marcou sua época, ele usava maquiagem para pintar seus croquis e produzia 10 coleções por ano. 

Contudo, Lagerfeld valorizava o tempo presente e fazia questão de fotografar todas as peças das coleções que produzia para Maison Chanel.

Curiosidades:

  • Em 2002, Karl Lagerfeld emagreceu 42kg para entrar em uma calça; 
  • Karl gostava de alfinetar Yves desde que ambos ganharam o mesmo concurso, na juventude;
  • Lagerfeld costumava dizer que ir ao shopping é uma atividade cultural;
  • Ele também detestava tatuagem e afirmava que seus óculos escuros eram sua burca.

Com o falecimento de Karl, desde 2019, a diretora criativa da maison Chanel é Virginie Viard, que foi braço direito de Lagerfeld por muitos anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.